SÉRGIO SILVA: Luciano Hang já injetou R$ 12 milhões na Lei Rounet, entenda

PUBLICADO: 04/11/2018 - 5:10 | ATUALIZADO: 04/11/2018 - 18:59

DE SÉRGIO SILVA - PARA: DIÁRIO DO COTIDIANO | FALE CONOSCO

Joinville (SC): O Jornal a Folha de São Paulo citou Luciano Hang como um dos pessoas que estariam por trás da suspeita de crime eleitoral ao lado de outros empresários, que teriam supostamente contratado empresas de marketing para fazer propaganda eleitoral ilegal através do aplicativo de mensagens WhatsApp. Porém não demorou muito para que sites, blogs e jornalistas que apoiam a campanha petista começarem a vasculhar tudo que envolve o nome da Lojas Havan e de Luciano Hang, e um destes sites é a CARTA CAPITAL, que usou o fato da Havan ser uma das empresas a apoiar projetos através da “Leia Rouanet” como se fosse algo ilegal e imoral.

A VERDADE SEJA FEITA: O Grupo Havan não doa dinheiro algum, o que ela faz é repassar parte do imposto de renda devido para projetos culturais de sua escolha, que estão aprovados pelo Ministério da Cultura, até a publicação desta matéria foram 147 projetos, totalizando R$ 12.323.338,27 destinados a projetos culturais, que são apenas uma pequena parte do imposto pago ao cofres públicos, então veja alguns dos projetos que alguns portais, blogs e jornalistas tentam criminalizar, porém são projetos culturais de natureza pública ou cultural de cada região:

  • Escola do Teatro Bolshoi.
  • Pianíssimo.
  • Festitalia.
  • Mia Cara Curitiba.
  • Festa Nacional do Pinhão.
  • Artes Cênicas e Música Instrumental em Itapema.

A verdade é que 90% dos projetos dos 147 que recebem incentivo da Havan através do imposto de renda, são eventos, manifestações culturais e artísticas de renome e com enorme importância para determinadas cidades, como do Ballet Bolshoi, onde 100% das crianças são bolsistas e sua maioria de origem carente.


Esse tipo de jornalismo não isento e partidário não torna a sociedade mais informada, ela apenas cria conflitos, onde quem perde são as instituições e os projetos devidamente merecidos de dinheiro para sua continuidade, que investem na educação dos jovens e abaixo um trecho do que diz o site Carta Capital, e aqui você encontra o link para acessar todos os projetos apoiados pela HAVAN.

Veja o que diz o site Carta Capital sobre Luciano Hang: “Entre os projetos que financiou, a Havan escolheu desde a manutenção anual da franquia brasileira do balé russo Bolshoi, notório símbolo da antiga era comunista (a empresa usou R$ 750 mil de dinheiro público para apoiar a companhia) até a escola de samba Unidos da Coloninha, de Florianópolis (SC), que recebeu R$ 410 mil para organizar o Carnaval de 2011 cujo samba-enredo era A Arte da Troca e da Venda, a Sociedade Triunfou (sobre o tema “trajetória econômica do Brasil até a estabilização da moeda”).

Catarinense de Brusque, Luciano Hang, o dono das lojas de departamentos Havan, se notabilizou como incansável cabo eleitoral do deputado federal Bolsonaro e furioso detrator do PT. Ele se autodefine como anticomunista de carteirinha, e sua rede de lojas, apesar do nome que remete à capital de Cuba, faz estardalhaço nas rodovias de vários estados brasileiros com fachadas faraônicas em pastiche neoclássico ornadas por gigantescas réplicas da Estátua da Liberdade (monumento-síntese dos Estados Unidos, localizado em Nova York). Segundo o próprio site da rede, a rede é composta de 114 “megalojas físicas” pelo país.

SOBRE A LEI ROUANET: A Lei de Incentivo à Cultura, popularmente chamada de “Lei Rouanet”, é conhecida principalmente por sua política de incentivos fiscais. Esse mecanismo possibilita que cidadãos (pessoa física) e empresas (pessoa jurídica) apliquem parte do Imposto de Renda devido em ações culturais.


COMENTE SOBRE ESSA MATÉRIA

COMPARTILHE