SÉRGIO SILVA: Projeto para economia de diárias está sem apoio na câmara de Joinville

PUBLICADO: 04/11/2018 - 1:58 | ATUALIZADO: 04/11/2018 - 18:59

DE SÉRGIO SILVA - PARA: DIÁRIO DO COTIDIANO | FALE CONOSCO

Joinville (SC): O projeto de lei que pretende fazer economia do dinheiro público não tem apoio dos vereadores na Câmara de Joinville. O autor é Ninfo König (PSB), pessoa a qual eu não tem muito a elogiar, mas nesse projeto ele se tornou destaque

Atualmente cada vereador que viaja para dentro de Santa Catarina ou Curitiba (PR), recebe cerca de quase R$ 500,00 reais e para fora do estado cerca de R$ 800,00 reais, basta ele solicitar através de um ofício o motivo da viagem e pronto, o dinheiro é liberado.

A questão é que esse vereador que recebe o valor caso não venha a utilizar o montante inteiro ele não precisa fazer a devolução da sobra, ou seja não tem que prestar contas.

Vamos a um exemplo três vereadores viajam a Florianópolis (SC), para audiências cada um recebe o montante de R$ 500 reais, mesmo que sigam juntos no mesmo carro particular de um deles, se totaliza R$ 1.500,00 reais recebidos em diárias. Deste valor total o custo pode chegar à no máximo R$ 1000,00 entre combustível e alimentação, porém o valor restante não retorna aos cofres públicos, já que a lei atual não o obriga a devolução da sobra.


O Projeto de lei de Ninfo, pede que o vereador mediante apresentação de nota fiscal, faça a devolução do valor não utilizado aos cofres públicos, mas na primeira reunião da comissão o diretor financeiro da Câmara, que é indicação do vereador James Schroeder (PTB), disse que o mesmo serve para também para custear horas extras dos vereadores, esses no qual tem um salário líquido de cerca de R$ 10 mil mensais.

Claro que esse argumento chega a ser piada, mas isso também serve para os diretores e servidores, mas com um valor um pouco menor na diária.

Mesmo sem parecer técnico dos funcionários da Câmara dois vereadores já se posicionaram contra (ainda não se sabe quem), já o vereador Rodrigo Coelho (PSB), que é membro da comissão pediu vista para analisar melhor o projeto, mas já disse que vai votar a favor do projeto que determina a devolução do dinheiro não utilizado.

Agora é esperar a volta do recesso para ver em que pé isso vai dar, se claro não for empurrado com a barriga para após as eleições de outubro.


COMENTE SOBRE ESSA MATÉRIA

COMPARTILHE