Documentário “Itapocu” de SC é lançado em Festival na África

PUBLICADO: 17/07/2019 - 12:09 | ATUALIZADO: 04/08/2019 - 0:38

DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO | FALE CONOSCO

A estreia do documentário curta-metragem Itapocu, acontecerá no 23º Festival de Cinema Ecrans Noirs, um dos maiores e mais conceituados festivais de cinema da África, que acontece de 13 a 20 de julho em Yaoundé, capital da República dos Camarões. O filme será exibido na sexta-feira (19), na competitiva de Curtas-metragens Internacionais, sendo o único representante de fora do continente africano nessa categoria.

Itapocu é um curta-metragem documental que registra a comunidade quilombola do Itapocu, e a Associação e Grupo Folclórico Catumbi da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário de Itapocu, no interior do sul do Brasil, norte de Santa Catarina, e sua tradição centenária do Catumbi, uma manifestação sincrética que mistura dança, música e diversas manifestações afro-brasileiras. Uma tradição centenária de afirmação da identidade negra na região.

A celebração é marcada pelo sincretismo religioso e envolve música, dança e outros ritos. O Catumbi é um ritmo afro-brasileiro similar ao congado e ao reisado originado pelos escravos no século XIX, misturando a coroação dos reis do Congo com louvações a santidades católicas. Ocorre com bastante frequência em outras partes do país, porém, em Santa Catarina, a tradição praticamente se perdeu.

O curta documental é dirigido por André Senna, produzido e editado por Marcos Serafim, com produção local de Alessandra Bernardino, e direção de fotografia e câmera por Rosano Mauro Jr. Em 2016, o diretor André Senna, foi contemplado pelo Prêmio Catarinense de Cinema 2014/2015 da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), sendo filmado em 2017 e lançado agora em 2019. Após a estreia na África, o filme já tem exibição garantida em mais três importantes festivais de cinema documental pelo mundo.

Sobre o Ecrans Noirs: Ecrans noirs é um festival de cinema fundado em 1997 pelo diretor Bassek Ba Kobhio, que acontece todos os anos em Yaoundé, Camarões, sendo um dos mais prestigiados e importantes de toda a África. Organizado pela associação “Ecrans Noirs”, que visa divulgar principalmente criações cinematográficas de seis países da África Central (Camarões, Gabão, Congo, República Democrática do Congo, República Centro-Africana e Chade), o festival é também um espaço de reflexão sobre o cinema e organiza colóquios, reunindo profissionais, que discutem sobre as condições de exercício e a evolução desta arte no continente africano. Os organizadores do festival também oferecem residências de escrita para roteiristas.

PRODUÇÃO

Pesquisa, Roteiro e Direção: André Senna
Produção e Edição: Marcos Serafim
Produção: Carla Wille Kielwagen
Produção Local: Alessandra Bernardino
Direção de Fotografia e Câmera: Rosano Mauro Jr.
Ass. de Fotografia: Murilo Lazarin
Desenho de som e Mixagem: Vitor Moraes
Edição de som direto: Rodrigo Sacic
Som Direto: João Menna Barreto
Gaffer e Maquinária: Danilo Custódio
Associação e Grupo Folclórico Catumbi da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário de Itapocu.

PERSONAGENS

Antonio Bernardino Filho: Seu Risca
Osvaldo Mário Eufrásio: Capelão Osvaldo
Balbina da Conceição Catarina: Dona Balbina
Lidiano Carlos Eufrásio: Capitão Lidiano
Lauri Rosa: Seu Louro
José Marcelino Maria: Seu Maia.

Por Rodrigo Domingos.